08 janeiro, 2009

Geografia turística ou banquete partidário em ano de eleições?

Não acredito no que dizem
por aí!

Não pode ser verdade!

A manipulação política, os arranjos partidários, a falta de vergonha institucional não poderia ser levada a tal extremo.

Primeiro vieram dizer-nos que não se justificavam tantas Regiões de Turismo. Que era preciso criar entidades de Promoção Regional fortes, dotadas de massa crítica e capacidade de intervenção, capazes de assegurar a promoção turística das respectivas regiões.
Nas faldas da Estrela,
na borda da Gardunha,
na beira do rio,
no Fundão.

Depois subverteram tudo e vergaram-se às pressões dos barões do Partido e desataram a retalhar o mapa original para satisfazer clientelas e amizades.

Mas o mais grave estava para chegar… e descobriu-se que a falta de respeito democrático levou a que nem as escolhas políticas locais das populações – expressas em eleições autárquicas que, declaradas válidas, exigiam leitura adequada e respeito pelas escolhas. Em vez disso, cozinharam-se Entidades Regionais, Pólos de Desenvolvimento, direcções e presidências... a bel-prazer das necessidades partidárias (mais fortes agora, que a crise aperta, o desgaste político é evidente e as eleições estão à porta).

E aquilo que não foi alcançado nas urnas é conseguido na Secretaria: o PSD, força maioritária autárquica (por isso detém a Presidência da Associação Nacional de Municípios) quase desaparece. O Partido Comunista é varrido do Alentejo. Tudo da mãozinha da “rosa”, num Portugal cinzentão… quase de partido único. Nem Cavaco no seu melhor… trabalharia assim!

E como se isto não bastasse, chega agora a ameaça (quase apetecia empregar o termo chantagem) dirigida aos municípios que, por não estarem de acordo com o processo ou por não haverem (sequer) - sido consultados, não reconhecem as ditas entidades Regionais (ou os Pólos de Desenvolvimento) e decidem manter-se fora de todo o processo. A uns e a outros está a ser respondido que se persistirem nessa posição não poderão candidatar-se a verbas do QREN(1) destinadas ao turismo. Uma ameaça declarada utilizando... dinheiros públicos nacionais e comunitários (que são de todos nós) como arma de pressão.

Em que país estamos? Na África das guerras tribais e dos “senhores da guerra”? Nalguma oligarquia da América Latina?

(1) O Quadro de Referência Estratégico Nacional constitui o enquadramento para a aplicação da política comunitária de
coesão económica e social em Portugal no período 2007-2013.


4 comentários:

Alice disse...

Isto está mesmo impossível, meu caro António Vilhena!
E a ver pelo que de muito mau nos tem sido imposto, muito em breve vai ser necessária muita, mas muita coragem para enfrentar o que de péssimo se seguirá.

Um abraço
Alice

A. Castanho disse...

Barulho a mais para conteúdo tão escasso.


Boas melhoras...

oasis dossonhos disse...

Um muito bom ano de 2009 com saúde e criatividade. O blogue da Aldraba mudou de endereço.
http://associacaoaldraba.blogspot.com/

Maria Fernanda Lima disse...

Tão escasso?
Utilização partidária de dinheiros públicos?
Chantagem política?
Tentações de partido único?